Páginas

sábado, 9 de julho de 2011

Eu por mim - Marcos 5.25

Pra falar a verdade, eu nem lembro como começou. Fazia tanto tempo que eu estava doente, que eu não consigo puxar na memória quando foi que isso começou.
Lembro do primeiro laudo do médico aqui da região, que dizia que não tinha jeito, eu deveria apenas ser afastada do convívio das pessoas. E foi assim que tudo começou.
A criadagem começou a ser dispensada, porque eu gastava tanto dinheiro com os exames que eu tinha que fazer, alguns doiam tanto, e o laudo era sempre desanimador.
Um ano, dois anos, três anos e eu ainda acamada. Olhava a vida passando pela janela e eu me perguntava até quando eu iria sangrar. Muito prazer, eu sou a mulher do fluxo de sangue.
Quatro anos, e eu só pensava como seria sair pelas ruas da cidade acompanhada das criadas aqui de casa para fazer compras. Ou como seria pode correr, poder se sentar à mesa para jantar acompanhada da família.
Eu estava praticamente falindo, todo o dinheiro que eu tinha servia para controlar o fluxo excessivo. Eu estava ficando louca.
Cinco anos, seis, sete, oito anos. Minha vida estava escrita nos lençóis da minha cama. Falava com Deus e o questionava sobre a minha condição, me perguntava onde eu tinha errado, não entendia o porquê. Eu me olhava no reflexo da vasília de água no meu quarto, minha aparência era de dar dó. Eu estava pálida, os lábios completamente sem cor, eu não me sentia feminina, eu sabia que não atriai ninguém. E por quê ser atraente quando se sabe que não pode amar, e que sem demora, a vida vai acabar?
Eu pensava assim.
Nove, dez, onze... Finalmente, doze anos. Me lembro de ter ouvido alguém falar de um homem que curava qualquer doença. Eu poderia fazer como muitos e desacreditar. Afinal de contas, eu havia gastado TUDO com médicos, com tratamentos e ainda sangrava a ponto de ter vários desmaios por dia e mal poder me sustentar sobre as pernas. Eu já não andava mais, eu me rastejava.
Aquele barulho na cidade, crianças e mulheres gritando que o tal Mestre estava chegando. Saí de dentro de casa, e imaginei como faria para passar por dentre a multidão ser ser pisoteada. Com toda a fé, cara e coragem eu fui.
Devagarzinho, eu cheguei perto Dele e que glória saia do cheiro de Cristo, que perfeito era estar quase enconstando em Cristo. 1, 2, 3 e já! Coloquei a mão na barrinha dos vestidos Dele e meu fluxo estancou instantaneamente. Pensei: "Meu Pai, se me pegam tocando no Mestre, tô perdida!"
Mas Ele perguntou quem havia tocado nEle, porque saiu virtude.
Se eu tinha coragem pra sair de casa naquele estado, eu tinha coragem pra dizer que eu O toquei, não é?
Logo que me apresentei, Ele disse: "Filha, a tua fé te salvou. Vá em paz; e sê curada deste mal" (Mc 5.34)
Ah, meu amigo... Eu fui pra casa. Sentei a mesa, me alimentei. Olhei novamente no reflexo da água naquela vasília, me vi corada, eu estava viva.
Precisa de cura? Libertação? Um milagre secreto? Um milagre público? Vá até o Mestre, seja livre como eu.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Falar que eu sou crente, é tenso!

Frequentemente, nós jovens temos a mania de ocultar nossos sentimentos cristãos, nossa devoção a Cristo ou qualquer coisa que expresse intimamente nossa relação com Cristo e a santidade que nos é proposta pela palavra de Deus.
Visamos outros interesses, de conquistar alguém ou algo, passar a imagem que queremos para persoadir alguém ou causar algum tipo de impressão através de frases em nossas redes sociais e até mesmo na nossa vida cotidiana em contato com nossos colegas de classe, trabalho e vizinhança.
Temos a sensação de que anunciar Cristo em nossas vidas não nos trará sucesso em coisas que queremos, ou que isso envergonhará o evangélio pelo fato de sabermos que somos falhos e que dizer que ama a Cristo com as atitudes que andamos tomando nos trará contradição.
Falar de Cristo quando se tem a idade em que sua exposição social define exatamente que tipo de pessoa vai se sentir atraído pela sua amizade ou até mesmo atraído para ficar com você, namorar, ou seja lá o que for é bem tenso.
Sinta-se aliviado, a culpa não é sua.
Para as garotas, por exemplo, falar de Jesus em uma rede social deve ser feito com cautela, afinal de contas, nem sempre aquele cara que você quer conquistar é evangélico como você, e quando é, se afasta intuitivamente porque sabe que você não é o tipo de garota que se pode aproveitar e não ter nenhum relacionamento sério. É incômodo quando somos rejeitadas por sermos "diferentes" das outras, mas acredite, é você quem sai ganhando.
Quanto aos garotos... "E os amigos? E a minha moral de malandro, onde fica? Eu bebo, pow! Falo altas sacanagens com os amigos. Só pego as meninas, eu não namoro sério. Não posso ficar me passando por crentão sem ser assim, e mesmo que eu seja, não posso ficar envergonhando o nome de Deus assim."
A boa notícia é que reconhecer a importância de Deus para nós perante a sociedade não é uma decisão, é um processo. Começa-se devagar,dando um passo de cada vez. Acostumando às pessoas a sua condição cristã.
Nas relações interpessoais, a diminuição dos palavrões, as saídas sutís de conversas excessivamente mundanas, a rejeição "disfarçada" dia após dia do álcool e dos relacionamentos rápidos e sem qualquer compromisso vão te levar até mesmo a ganhar outras vidas pra Jesus, porque já que você consegiu, mesmo que lentamente, vão ver em você a possibilidade de conseguirem também atingir um patamar de santidade que não terá a aparência de fanatismo. Ser cristão não é fanatismo, diferença de vestimenta e definitivamente não é falar de Deus o tempo todo. Ser cristão é reconhecer em Deus a nossa dependência total dEle, é abster-se do errado sem parecer excessivamente certo a ponto de não poder ser copiado.
Quando Cristo propõe que nos examinemos a nós mesmos, Ele nos propõe que vejamos em nós, pela luz da Palavra o que nos é lícito e o que não nos convém.
Faça o que está sentindo, coloque em seu MSN, Orkut, Myspace, Facebook, Twitter e por aí vai, o que sente com relação a Deus. Ser sincero não é dizer verdades, é demonstrar pelo seu ponto de vista uma verdade, portanto, ser sincero quanto à Deus é mostrar que Ele é o caminho, A VERDADE e a vida da maneira que você sabe.