Páginas

sexta-feira, 28 de junho de 2013

A receita da fé.

"E Jesus lhes disse: Por causa de vossa pouca fé; porque em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e há de passar; e nada vos será impossível." Mt 17:20

Vamos ao contexto desse verso do livro de Mateus. Não quero ser muito teóloga, porque meu propósito é a indução à espiritualidade através do texto.
Jesus estava no monte com seus amigos (Pedro, Tiago e João - irmão de Jesus) quando foi transfigurado em glória, Elias e Moisés ali compareceram também em visão aos seus amigos. Pedro propôs a Jesus a construção de uns tabernáculos, um para Jesus, um para Moisés e um para Elias. Uma nuvem (Deus) apareceu dizendo que Jesus era o Cristo, e que Deus tinha prazer nEle. Os homens que com Ele lá estavam, se espantaram, morrendo de medo. Jesus pediu segredo.
Uma multidão ia se aproximando e um homem clamou por seu filho que estava perturbado e se jogava no fogo ou na água. Levaram ele aos discípulos, mas o menino não foi curado.
Jesus ficou bravo e disse que aquela geração não cria e era ruim. Perguntou a eles retoricamente até quando Ele sofreria com aquilo. Jesus mandou trazer o menino e o demônio que havia nele foi embora na mesma hora.
Os discípulos encucados, perguntaram a Jesus porque eles mesmos não conseguiram expulsar o mal do menino. Jesus disse que eles tinham POUCA FÉ. Com mansidão completou dizendo que se eles tivessem tido fé do tamanho de um grão de mostarda, diriam aos montes que mudassem de lugar e eles mudariam e nada lhes seria impossível.
No final do versículo Jesus disse que uma casta de demônios como aquela só poderia ser expulsa através de jejum e oração.

Vamos ao que interessa.
Nós somos seres tão medrosos, tão cheios de complexos, de achismos, de desconfianças e blá-blá-blás que por inúmeras vezes questionamos ao Senhor porque não conseguimos isso ou aquilo.
Alguns usam o termo "determinação" para pedir ou solicitar coisas de Deus, arrisco a argumentar que em certos momentos isso é até válido. A determinação de algo deve ser feita em nome do Senhor para o fim de exaltar a Ele mesmo.
No entanto, muitas vezes oramos com um pouquinho de desconfiança se Deus realmente vai fazer aquilo. Ai é que entra  a falta da fé.
Imagine um elogio como "você é realmente lindo". Isso possivelmente faria seu coração se deleitar em agradecimentos e você ficaria extremamente lisonjeado e feliz. Quando o seu coração, a sua boca e a sua mente professam a fé em Deus é como se Ele estivesse sendo elogiado profundamente, de uma forma que Ele não esquece e retribui.
Quando nos vemos em uma situação de fracasso, nosso primeiro ato é questionar a Deus o porquê da sua falta de ação ao nosso favor, mas esquecemos que nós mesmos não soubemos lutar. A fé é a maneira mais segura e rápida de solicitar o favor de Deus, é como voltar a atenção dEle de uma forma que Ele se levante e tome o leme da embarcação. E quando você pensa em se levantar, Ele diz: pode deixar comigo, filho.
A fé move a parte mais valente de Deus, motiva o amor e a misericórdia dEle.
Quantos milagres você ouve alguém falar que aconteceu com fulano ou ciclano e nunca aconteceu com ninguém perto de você ou com você mesmo? Vou te contar um segredo... a fé aparece quando nossos recursos vão por água a baixo e é a partir disso que aprendemos a usá-la.
A fé é depender tão intensamente de Deus que tudo o que te dão de receita para vencer parece bobo e ineficaz, a fé faz você entender que naquela instância só Deus tem poder para encerrar o caso.
Mas a fé só ter que vir pelo sofrimento e pelo fracasso? Não. A fé pode ser exercitada nos mínimos detalhes. Como a criança está no sítio em um dia ensolarado e vê nuvens vindo em sua direção, dobra os joelhos e pede ao Papai do Céu para que não deixe a chuva estragar o seu passeio e vê seu desejo simples concedido. O segredo dessa criança é a simples, pura e agradável fé. Não existe fé por meio de interesse egoísta, existe a fé por meio de uma crença sem limitações em um Deus que não vemos e amamos pelo que Ele é e por meio disso, sabemos que por sua infinita graça pode nos conceder o que precisamos.
Parece muito complexo, e é. Ter fé em Deus, poder ver os feitos dEle através das nossas mãos, viver grandes milagres vai além de qualquer tipo de "acreditar", a fé é uma visão ampla do sobrenatural, é a limpeza total da nossa cegueira humana, é olhar além dos horizontes do tátil, do visível e do audível.
No entanto, o início dessa fé é a fé do tamanho de um grão de mostarda, bem pequeno. A fé pequena já é um início para uma grande fé. Portanto, pratique. Com palavras de vida e autoridade sobre você mesmo, seu comportamento e caráter, sobre sua personalidade, comece o exercício da fé em cima dos seus traumas e complexos e depois aprenda a externá-la em nome de Jesus e sim, veremos verdadeiros, grandes e testemunháveis milagres nas nossas vidas.

domingo, 31 de março de 2013

O amor sustenta

Sara era estéril e Ana também. Duas mulheres em épocas diferentes sofrendo o mesmo problema, mas elas tinham uma coisa que as amparava além de Deus... Seus maridos. Abraão e Eucana, dois homens que honravam e amavam suas esposas com todo o coração.
Abraão admirava Sara, ele via nos braços dela a sua velhice e a sua descendência e mesmo com todo o tempo em que teve que esperar para que ela concebesse. Ele investiu naquela esposa mesmo sem a garantia humana de que um dia ela daria o filho que ele tanto queria. Naquele tempo mulheres estéreis eram consideradas mortas por dentro, sem valor, sem utilidade. Ele poderia tê-la repudiado, poderia tê-la ignorado, mas ele continuou amando Sara pelo motivo mais divino, pela fidelidade e fé que o amor traz. Foram anos e anos até a velhice chegar, Sara estava cansada de esperar, mas Abraão continuava amando Sara com ou sem um filho, porque o amor dele era genuíno, era um amor vindo de Deus.
Eucana um dia perguntou a Ana se só seu amor não lhe era suficiente. O amor de Eucana por Ana era um amor de cuidado, um amor apaixonado e nem sua outra esposa, Penina, lhe causava tamanho frisson, o amor de Eucana por Ana era um amor acalentador, simples e eterno.
Hoje o meu assunto é o amor entre duas pessoas. O amor é o sentimento que Deus elaborou baseado em si mesmo, porque Ele é o próprio amor e o amor entre um homem e uma mulher é um sentimento que deve ser purificado dia após dia.
O amor desses maridos por suas esposas foi o que não as deixou cair diante de uma sociedade que as amaldiçoava e que caçoava de seus fracassos como mães. Elas eram apontadas, eram sufocadas por pessoas que as questionavam, eram tidas como inválidas, mas seus maridos lhes diziam o contrário. Eles as encorajavam e as colocavam de pé, as desejavam e com seu amor lhes diziam que elas eram mulheres de valor. Faziam isso sem saber que era o próprio Deus que plantava esse sentimento neles para que elas um dia fossem testemunho para todos nós. Foi o amor desses homens que as mantiveram de pé.
O amor tem muitas vertentes, a admiração, o cuidado, a esperança, a fé, a fidelidade, a alegria, o encorajamento, a doçura, o impulso, a preservação, o desejo e por ai vai. O amor que Deus quer que seja construído entre um casal não é baseado somente no desejo da carne, porque tudo na carne é passageiro, somente as coisas do espírito são eternas e elaboradas pelo Senhor. O amor que Deus separou para um casal consiste no querer bem, em proporcionar o bem estar. Com tantas dificuldades entre esses casais aqui citados, ainda sim, eles mantiveram o amor intacto. Eles não tiveram o privilégio de escolher, os casamentos eram arranjados, mas davam certo e o amor nascia. Nós temos a dádiva de escolher, mas somos ignorantes as vezes e escolhemos pelos motivos errados. Deixe que Deus faça o Seu papel de pai e arranje seu casamento. Não vá pelo seu próprio senso de escolha, porque nosso coração é enganoso. Deus tem os melhores maridos e esposas separados para cada um de nós. Maridos e esposas que procuram não apontar os defeitos o tempo todo, que tenham admiração por seus cônjuges e que querem esse sentimento pelo resto da vida.
Algumas pessoas continuarão a sofrer perdas e viver desilusões por pressa em ter alguém para compartilhar a vida sentimental e sexual, por não entenderem o que é o verdadeiro amor. Por achar que é bobeira esperar em Deus e por acreditar que já erraram tanto que Deus não vai dar alguém que lhe dê valor. Mas Deus não é como nós que lança os erros dos outros em rosto, basta um passo em direção a Sua vontade que Ele proporciona o melhor encontro.
Viver um amor que suporta, crê, espera e tudo sofre junto e sem vacilar é dom de Deus e tem que ser desejo mútuo de quebrar o orgulho e ceder quantas vezes for necessário para que o amor seja experimentado e vivenciado plenamente.
Quem já tem namorado ou namorada, é bom praticar algumas partes do amor genuíno, como o respeito, a admiração, a ajuda, o bom conselho baseado em Deus, o riso, a oração e a compreensão. Quando o casamento vier, continue mantendo todos esses requisitos e adicione os frutos desses componentes que estão na intimidade da sexualidade. O sucesso no amor começa no início do relacionamento, quando os dois tem plena certeza de que querem estar juntos para toda a vida e para manter o sucesso desse amor é necessário todos os dias reviver todos os motivos pelo qual você está junto com a mesma pessoa.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Entendendo o cativeiro

Deus é um Deus que não dá pra questionar. Seus métodos podem parecer inicialmente duvidosos. Pois bem, pense você sendo levado em cativeiro (aprisionado) para uma terra distante e sem qualquer um dos valores de Deus, chegando lá sua família está faminta e vem todo o tipo de feiticeiros e adivinhos falar asneiras e você já não sabe mais o que fazer. De repente, um profeta do Senhor te traz algo de Deus dizendo que você tem que construir sua casa nessa terra, plantar nessa terra, comer dessa terra, casar-se nessa terra, dar esposas aos seus filhos, esposos as suas filhas nesta terra e orar por essa terra, estabelecer a paz nessa terra. Nós, com esse mundo globalizado e esse monte de facilidades pensaríamos que Deus cometera uma equívoco, mas Ele sabia exatamente o que estava fazendo, e Ele estava provando o seu povo. Em Jeremias, no capítulo 29 e verso 11, Deus esclarece sua vontade através do profeta dizendo: "Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais. Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei. E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração. E serei achado de vós, diz o SENHOR, e farei voltar os vossos cativos e congregar-vos-ei de todas as nações, e de todos os lugares para onde vos lancei, diz o SENHOR, e tornarei a trazer-vos ao lugar de onde vos transportei. Jeremias 29:11-14" Cada um de nós tem ou teve um cativeiro, estávamos bem, vivendo nossas vidas e de repente alguma coisa deu errado e estamos presos a alguma situação que não esperávamos passar. Para entender isso na teoria é muito fácil, na prática alguns pensam em desistir e outros desistem mesmo. Mas "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem. (Hebreus 11:1)", os que tem fé permanecem até o fim, com profeta ou sem profeta. Os que esperam e confiam nos pensamentos altos do Senhor, esses saem do cativeiro em tempo hábil. Galera que tem esperado um bom encontro da parte do Senhor depois de relacionamentos desastrosos e estão ai sozinhos, passando pelo vale da solidão. Esse é momento de cura, momento de plantar nos jardins da solidão, colher os frutos das amizades abençoadas, servir ao Senhor com alegria, deixar o Espírito Santo entrar, transformar seu orgulho, deixar nascer o carisma, a beleza do sorriso, viver experiências com o Senhor. Para em tempo de qualidade colher o bom encontro que vem de Deus. Galera que está atolada em dívidas, com sonhos parados, situações com bancos e financeiras. Repreendeu o devorador, mas nem era ele que tava causando essa bagunça? É dizimista e mesmo assim está no vale do dinheiro? Essa é a sua Babilônia, logo você vai sair dela com experiências de maná vindo do céu. Portanto continue plantando, e você sairá do cativeiro. Galera com enfermidades, olha... Quando o povo foi levado cativo, Deus sabia o motivo pelo qual eles deveriam ser cativos. O aprisionamento vindo das enfermidades, ele ensina muito sobre depender de Deus e sobre buscar a Deus, sobre confiar em Deus, sobre se separar para Deus. Então continue plantando. Alguns esperam tantos anos para obter de Deus aquilo que desejam, o tempo passa, as coisas mudam, porém aquele quadro especificamente não muda. Espere mais um pouco, continue plantando, e porque o Senhor é infindo em misericórdia e graça, Ele concederá boa medida, recalcada, sacudida e transbordante para você. Entender o tempo de cativeiro é entender que não somos "os bons", que como Jó, às vezes é necessário que a nossa fé seja provada. Entender o período do cativeiro sentimental, é entender que Deus é seletivo e não vai te entregar alguém que te faça mal e se você não estiver pronto/a, não vai entregar a alguém você para não corresponder as expectativas de um outro/a servo de Deus. Entender este período de cativeiro financeiro, abrange além da Babilônia, a Casa do Oleiro. Deus quer quebrar seu orgulho, sua mania de insatisfação, sua murmuração, sua mania de grandeza e te fazer alguém apto a ter celeiros abastecidos. Diga ao Senhor "vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno" como fez o salmista. Entender o tempo do cativeiro da enfermidade, é saber que somos produto inacabado, frágeis, debilitados pela nossa natureza humana. Que somos dependentes do Senhor para nos levantarmos e para fazer desde as tarefas simples até as mais complicadas. Esse entendimento é difícil, porque quando a carne clama em dor, nós murmuramos e questionamos a Deus. Mas "na sua angústia, clame ao Senhor" (Sl. 120 - Jn 2:2 - Sl 118:15 - 2Sm 22:7 - Sl 18:6). Quando a dor e os sintomas vierem, só clame. Pode ser como Ana que espremeu-se em gemidos para que o Senhor a ouvisse. Entender o tempo do cativeiro te fará um cristão com fé mais alicerçada e mais consciente de que Deus só elabora as provas para a nossa aprovação.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

E sabereis que eu sou o Senhor - O vale de ossos secos

Existe um mundo espiritual do qual infelizmente poucos cristãos acreditam. Não é fantasia e nem imaginação, é a dimensão do espírito que transcende nosso vão entendimento. Nesse mundo espiritual o comandante é o próprio Deus e absolutamente nada acontece sem que seja dada a permissão dEle. Ezequiel estava ali vivenciando uma experiência espiritual que talvez muitos de nós não teria estrutura psicológica e nem física para suportar (esse tipo de coisa cansa até a nossa carne tamanha intensidade), ele estava em uma terra distante, mas a sua terra, que era Israel estava prestes a viver o sobrenatural de restauração da parte de Deus. Quem tem dom de sonhos e visões sabe como é esse tipo de experiência, é algo arrebatador. Mas Ezequiel tinha um diferencial da parte do Senhor para com ele e da parte dele para com o Senhor, ele acreditava no sobrenatural e Deus o deixava participar do sobrenatural. Que possamos entender que o sobrenatural não é para provar que algo vai acontecer, o sobrenatural é um diferencial na vida de quem busca entender as coisas espirituais. Quem vive o sobrenatural de Deus começa a entender o rumo da sua própria vida e sabe que existe uma luta entre anjos, principados e potestades nos ares para nossa bênção chegar em nossas mãos e em alguns casos o Senhor nos permite ver como essas coisas funcionam para que possamos testificar a soberania de Deus não apenas como crença, mas como memória humana ou física (quem já sonhou que tava lutando com algo maligno sabe como é acordar com dores físicas). Onde eu quero chegar com esse texto? Quero dizer que vivenciar algo da parte do Senhor, existe separação. Separação do nosso intelecto que duvida e da nossa condição de raciocínio com pouca fé. Exige também a junção do nosso espírito com o Espírito de Deus. O sobrenatural da conquista para Ezequiel era ver o povo de Israel novamente de pé e restaurado da sua assolação por meio daquela visão, era ver aquilo que estava morto (o espírito do povo) ressuscitar em visão para a retomada da posição de povo escolhido e separado por Deus. A sua condição pode ser sua família destruída, uma doença, uma solidão, uma necessidade financeira, qualquer coisa e talvez você precise desesperadamente viver algo fora do comum com Deus. Mas como? Observe que Ezequiel foi levado para a Babilônia e por ser um homem de Deus dali pode ver a terra de Jerusalém e vivenciar essa visão. Ele não precisou estar lá no meio do povo, ele precisou somente dar espaço para o Espírito de Deus leva-lo até lá. Com Deus as coisas que não são passam a ser, e Ele traz a existência o que não existe. Para viver o sobrenatural de Deus é preciso ter um envio, é preciso buscar esse envio e se separar para viver esse envio e ter fé para resgatar os frutos do envio. Parado, saboreando ainda o banquete podre do mundo, achando que pode ser de qualquer jeito você não vai viver esse envio da parte do Senhor. É necessário ser levado pelo Espírito de Deus, dar legalidade a Ele para que você tenha um mover sobre a sua vida. Que você possa ser levado pelo Senhor ao seu problema e que você possa ordenar aos quatro ventos do Espírito sobre essa situação e ver se levantar um grande exército que vai lutar pela sua bênção e tudo o que está morto viverá. Que você viva a restauração da sua família, que possa ver o amor reviver. Que você possa receber a cura, que possa ter um bom encontro, que possa testificar a provisão de Deus e a fartura no seu lar. Que possa ter seus lagares cheios, seus celeiros abastecidos. Que possa receber verdadeiramente um envio de restauração do que está assolado e destruído e ver vivo aquilo que está morto. Obs.: Enquanto eu escrevia esse texto, algo maluco estava dentro do meu coração. E meu coração fervia com as palavras que esse texto bíblico contém e quando eu penso nas tantas vezes que o Senhor diz "e sabereis que eu sou o Senhor", a minha vontade é gritar que Ele é o Senhor do sobrenatural e que não há nada que Ele não possa fazer. Graça e paz!

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

O único Jesus que o mundo vê é você.

Deus sonda o mais profundo do nosso coração, Ele melhor do que ninguém sabe o que sentimos e o que pensamos. O Senhor não suspeita mal da gente porque conhece nossas intensões, Ele não nos aponta e nem nos coloca contra a parede. O Senhor nos ama e demonstra seu amor. Nunca ouvi Deus gritar comigo, nem em ações houve alguma punição porque Ele é Criador do ser humano e sabe onde as feridas não podem ser tocadas, mas sabe o momento e o jeito certo de curar. Deus não nos afronta, nem abusa de nossa paciência, Ele nos prova porque sabe que podemos ser aprovados. Deus não muda, Deus tem um humor só, mesmo estando em furor ou com o coração alegre com as nossas atitudes, o Senhor se mantém imutável porque sabe que confiamos nEle e que esperamos que Ele haja com o amor que nos prometeu. Deus é firme, Ele é o Pai da sensatez, é um Deus equilibrado e gentil, mas não deixa de ser o nosso Deus quando nos surpreende para bem ou para mal. Ainda Ele permitindo que o mal nos ocorra, separa para nós sua misericórdia. Sabemos todas essas qualidades de Deus, mas não aprendemos com Ele. Conhecemos quem Jesus foi e é, mas não queremos imitá-Lo. O ser humano tem mania de achar que é impossível ser como Jesus, mas é mandamento dEle mesmo que sejamos Seus imitadores. Por que não somos doces com as pessoas? Por que julgamos as pessoas pela riqueza, pela pobreza, pelo bom ou mal caráter? Por que ainda falamos mau dos nossos irmãos sendo que a justiça não cabe a nós? Por que colocamos em cheque a integridade das pessoas e por que não aceitamos as opiniões que são diferentes das nossas? Jesus lidava e lida com todos os tipos de caráter e de personalidade dos mais diversos tipos de pessoas, Jesus entendia o lento, entendia o acelerado, entendia o calmo e entendia o nervoso. Mas o lento não quer aprender a ser como Jesus e nem o acelerado quer, nem o calmo quer e nem o nervoso quer. Por que ainda ignoramos as palavras de Cristo que ferem as nossas vontades e conceitos? Quando vamos entender que servir é muito mais do que o que estamos fazendo? Jesus disse: APRENDEI DE MIM QUE SOU MANSO E PURO DE CORAÇÃO. Mas ainda somos grossos, implacáveis, metidos, arrogantes, mentirosos, julgadores, maldosos, hipócritas, fingidos, mesquinhos. Ainda jogamos nossas benfeitorias na cara dos nossos irmãos, fazemos o bem esperando retorno, damos preferência a quem nos interessa, forçamos as pessoas a fazerem o que queremos. Ainda vemos maldade onde não tem porque nossa mente está cheia de promiscuidades, imaginamos que nosso irmão está pecando quando na verdade é a nossa imaginação imoral que vê pecado ou possibilidade de pecado onde não tem. Ainda estamos tão longe de sermos como Jesus. O pior de tudo é nos recusarmos a isso, colocarmos nossa carne como obstáculo. Se não fosse possível, não seria um mandamento de Cristo. Quando é que vamos aceitar mais a personalidade dos outros, ignorar alguns defeitos bobos ou se for difícil de mais, nos afastar daquele que nos faz mal somente para preservar a paz? Mas o ser humano gosta de brigar, gosta de cutucar o outro... Novamente somos como os gentios. Se você quiser viver o verdadeiro significado de ser CRISTÃO, imite o máximo que você puder as atitudes de Cristo, porque o mundo não vê Jesus andando nas calçadas nem anjos voando para lá e para cá, o mundo vê a nossa vida e as nossas atitudes com eles do mundo e entre nós mesmos servos de Deus. Sejamos doces, gente boa, gente amiga, sejamos risonhos, transparentes, comedidos, simples, generosos, não sejamos altivos daquele tipo de pode brincar com todo mundo, mas ninguém pode brincar conosco. Sejamos compreensivos, equilibrados, honrosos, gente querida e bem-vinda em todo lugar. Sejamos pacíficos, que saibamos esperar uns pelos outros, sejamos respeitosos, dignos, amáveis. Sejamos gente sem preconceito de raça e nem de status social. Que saibamos conversar de Deus com todos os tipos de pessoas sem agredir. Quando uma pessoa mais humilde entrar nas nossas igrejas, que saibamos acolhe-las e integra-las ao nosso meio. Que os jovens e adolescentes sejam uns amigos dos outros, que não haja acepção em nossos meio. Em nome de Jesus, sejamos imitadores de Cristo em primeiro lugar com os da nossa casa, depois com os das nossas igrejas e depois com os do mundo.