Páginas

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Entendendo o cativeiro

Deus é um Deus que não dá pra questionar. Seus métodos podem parecer inicialmente duvidosos. Pois bem, pense você sendo levado em cativeiro (aprisionado) para uma terra distante e sem qualquer um dos valores de Deus, chegando lá sua família está faminta e vem todo o tipo de feiticeiros e adivinhos falar asneiras e você já não sabe mais o que fazer. De repente, um profeta do Senhor te traz algo de Deus dizendo que você tem que construir sua casa nessa terra, plantar nessa terra, comer dessa terra, casar-se nessa terra, dar esposas aos seus filhos, esposos as suas filhas nesta terra e orar por essa terra, estabelecer a paz nessa terra. Nós, com esse mundo globalizado e esse monte de facilidades pensaríamos que Deus cometera uma equívoco, mas Ele sabia exatamente o que estava fazendo, e Ele estava provando o seu povo. Em Jeremias, no capítulo 29 e verso 11, Deus esclarece sua vontade através do profeta dizendo: "Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais. Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei. E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração. E serei achado de vós, diz o SENHOR, e farei voltar os vossos cativos e congregar-vos-ei de todas as nações, e de todos os lugares para onde vos lancei, diz o SENHOR, e tornarei a trazer-vos ao lugar de onde vos transportei. Jeremias 29:11-14" Cada um de nós tem ou teve um cativeiro, estávamos bem, vivendo nossas vidas e de repente alguma coisa deu errado e estamos presos a alguma situação que não esperávamos passar. Para entender isso na teoria é muito fácil, na prática alguns pensam em desistir e outros desistem mesmo. Mas "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem. (Hebreus 11:1)", os que tem fé permanecem até o fim, com profeta ou sem profeta. Os que esperam e confiam nos pensamentos altos do Senhor, esses saem do cativeiro em tempo hábil. Galera que tem esperado um bom encontro da parte do Senhor depois de relacionamentos desastrosos e estão ai sozinhos, passando pelo vale da solidão. Esse é momento de cura, momento de plantar nos jardins da solidão, colher os frutos das amizades abençoadas, servir ao Senhor com alegria, deixar o Espírito Santo entrar, transformar seu orgulho, deixar nascer o carisma, a beleza do sorriso, viver experiências com o Senhor. Para em tempo de qualidade colher o bom encontro que vem de Deus. Galera que está atolada em dívidas, com sonhos parados, situações com bancos e financeiras. Repreendeu o devorador, mas nem era ele que tava causando essa bagunça? É dizimista e mesmo assim está no vale do dinheiro? Essa é a sua Babilônia, logo você vai sair dela com experiências de maná vindo do céu. Portanto continue plantando, e você sairá do cativeiro. Galera com enfermidades, olha... Quando o povo foi levado cativo, Deus sabia o motivo pelo qual eles deveriam ser cativos. O aprisionamento vindo das enfermidades, ele ensina muito sobre depender de Deus e sobre buscar a Deus, sobre confiar em Deus, sobre se separar para Deus. Então continue plantando. Alguns esperam tantos anos para obter de Deus aquilo que desejam, o tempo passa, as coisas mudam, porém aquele quadro especificamente não muda. Espere mais um pouco, continue plantando, e porque o Senhor é infindo em misericórdia e graça, Ele concederá boa medida, recalcada, sacudida e transbordante para você. Entender o tempo de cativeiro é entender que não somos "os bons", que como Jó, às vezes é necessário que a nossa fé seja provada. Entender o período do cativeiro sentimental, é entender que Deus é seletivo e não vai te entregar alguém que te faça mal e se você não estiver pronto/a, não vai entregar a alguém você para não corresponder as expectativas de um outro/a servo de Deus. Entender este período de cativeiro financeiro, abrange além da Babilônia, a Casa do Oleiro. Deus quer quebrar seu orgulho, sua mania de insatisfação, sua murmuração, sua mania de grandeza e te fazer alguém apto a ter celeiros abastecidos. Diga ao Senhor "vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno" como fez o salmista. Entender o tempo do cativeiro da enfermidade, é saber que somos produto inacabado, frágeis, debilitados pela nossa natureza humana. Que somos dependentes do Senhor para nos levantarmos e para fazer desde as tarefas simples até as mais complicadas. Esse entendimento é difícil, porque quando a carne clama em dor, nós murmuramos e questionamos a Deus. Mas "na sua angústia, clame ao Senhor" (Sl. 120 - Jn 2:2 - Sl 118:15 - 2Sm 22:7 - Sl 18:6). Quando a dor e os sintomas vierem, só clame. Pode ser como Ana que espremeu-se em gemidos para que o Senhor a ouvisse. Entender o tempo do cativeiro te fará um cristão com fé mais alicerçada e mais consciente de que Deus só elabora as provas para a nossa aprovação.

Nenhum comentário: